Heritage Wines arranca com comercialização dos Vintage 2018

A espera de quase um ano está terminada: o Taylor’s Vintage 2018 e o Quinta do Crasto Vintage 2018 já estão disponíveis no mercado nacional, em exclusivo pela Heritage Wines. Em simultâneo, foi também iniciada a entrega do Croft Quinta da Roêda Vintage 2018 e do Fonseca Guimaraens Vintage 2018.

A tradição manteve-se, mas a pandemia obrigou a um ajuste no plano de lançamento dos Vintage 2018. Num cenário normal, a chegada destes vinhos ao mercado aconteceria ainda em setembro, mas o contexto atirou o arranque da sua comercialização para o primeiro trimestre de 2021. Um travão forçado, mas que não abrandou a expectativa junto dos consumidores.

Em resposta, a Heritage Wines, distribuidora de vinhos premium e super premium, vai iniciar a entrega destes vinhos no mercado nacional. No capítulo dos “Vintage”, estão disponíveis o Taylor’s Vintage 2018 e o Quinta do Crasto Vintage 2018, ambos a fazerem história com uma declaração feita pela terceira vez consecutiva (o mesmo aconteceu às colheitas 2016 e 2017). A ombrear em matéria de qualidade, mesmo sem a declaração oficial, chegam também o Fonseca Vintage Guimaraens 2018, o primeiro engarrafamento de um Guimaraens desde 2015, e o “Single Quinta” Croft Quinta da Roêda Vintage 2018

Sobre o adiamento estratégico destes lançamentos, Paulo Cunha, diretor geral da Heritage Wines, afirma que “esta foi uma decisão muito ponderada e alinhada com os nossos parceiros comerciais, tomada com muita tranquilidade. Apesar das dificuldades que o mercado enfrenta, sobretudo os setores do turismo e restauração, muito significativos para nós, acreditamos que o consumo generalizado de Vinho do Porto não será afetado – estamos a falar de um estilo que resiste há várias gerações, que já enfrentou outras crises e conseguiu sair sempre fortalecido. Não será diferente em 2021”.

O Quinta do Crasto Vintage 2018, o Taylor’s Vintage 2018, o Fonseca Guimaraens Vintage 2018 e o Croft Quinta da Roêda Vintage 2018 já podem ser encontrados nas principais garrafeiras do país, também em formato meia garrafa (0,375 litros). Para mais informações, consultar www.heritagewines.pt

Taylor’s Vintage 2018

P.V.P. aproximado: 105,00€

Quinta do Crasto Vintage 2018

P.V.P. aproximado: 40,00€

Croft Quinta da Roêda Vintage 2018

P.V.P. aproximado: 45,00€

Fonseca Guimaraens Vintage 2018

P.V.P. aproximado: 55,00€

Paço de Teixeiró Avesso 2002

Paço de Teixeiró Avesso 2002

Vinho com uma cor límpida, brilhante, cor amarela dourada, intensidade média (+), nariz limpo sem defeitos, aroma com uma intensidade pronunciada, complexo, com notas de evolução, mel, damascos secos, sotolon, fumado, pão torrado e manteiga.

Na boca é um vinho seco, com acidez média (+), intensa, elegante, álcool médio (12,5º), corpo médio (+), gordo, envolvente, intenso, especiado, mineral, correspondendo ao nariz, final longo e boa persistência.

É um vinho de qualidade muito boa, complexo, com frescura, cheio, equilibrado, mineral, com maravilhosas notas de evolução, que nem toda a gente gosta, mas que eu adoro. Uma grande evolução na garrafa, está maravilhoso e para durar.


Castas : Avesso (100%)
Região: Vinhos Verdes / Baião


A minha nota pessoal: FB 90

Excelência: 96-100
Excepcional: 90-95
Bom/Muito Bom: 80-89
Mediano: 70-79
Pobre: 60-69
Não aceitável: 50-59


Website : Paço de Teixeiró

Ficha Técnica : Paço de Teixeiró Avesso 2002

A SOGEVINUS ANUNCIA OS SEUS QUATRO VINTAGES 2019

“A vindima de 2019 resultou em vinhos extremamente limpos no aroma, concentrados em cor e frescos na boca.” Carlos Alves, Master Blender e enólogo responsável pelos Vinhos do Porto Sogevinus Fine Wines.

Em 2021, o grupo Sogevinus declara o lançamento de dois Vintages Single Quinta – Kopke Quinta de São Luiz e Burmester Quinta do Arnozelo 2019 – e dois Vintages Clássicos sob a chancela das Casas Cálem e Barros.  Quatro Casas históricas, quatro Vintages de qualidade excepcional que chegam ao consumidor já no segundo semestre deste ano.

Em 2019, “a diversidade de solos, castas, exposições e altitudes permitiram maturações faseadas, fundamentais para a obtenção de uvas com elevada qualidade”, salienta Márcio Nóbrega, responsável de viticultura da Sogevinus Fine Wines.

Assim, face a uma vindima com uma janela de maturação mais longa, a atenção ao detalhe em cada parcela e o controlo permanente do estado de maturação das uvas foram os factores-chave para a obtenção de mostos frescos, aromáticos, com taninos assertivos e de grande intensidade corante originando vinhos com grande potencial de evolução.

Kopke, Quinta de S. Luiz Vintage 2019

Na Quinta de S. Luiz, situada na margem esquerda do rio Douro na sub-região do Cima Corgo, a vindima de uvas para Vinho do Porto iniciou-se a 09 de Setembro com tempo seco e temperaturas moderadas, que proporcionaram maturações graduais.

As amplitudes térmicas registadas em Agosto e Setembro foram bastante favoráveis à maturação das uvas. A ausência de chuva acompanhada das temperaturas altas, normais na região do Douro, a par de noites frescas contrastaram com os excessos verificados nos Verões dos últimos anos.

Foi neste contexto que se selecionaram uvas de cotas médias e baixas, de exposição norte / noroeste, provenientes exclusivamente das parcelas plantadas entre os 110 e os 135 metros de altitude, para produzir este Vintage da Quinta de São Luiz. Do lote fazem parte a Touriga Nacional – que lhe atribui frescura e notas de fruta – e uvas provenientes de Vinhas Velhas, com mais de 80 anos, que lhe conferem assertividade e concentração.

De tonalidade negra escura com laivos violetas, este Vintage seduz de imediato pela sua riqueza aromática de onde sobressaem aromas florais, alguns mentolados, notas de fruta negra como bagas de mirtilo e apontamentos de notas fumadas. 

No palato revela uma acidez assertiva conjugada com taninos intensos, a marcar o estilo dos Vintage Single Quinta da Casa Kopke. A fruta fresca apresenta-se delicada e o fim de boca é longo e arrebatador, antecipando o magnífico potencial de envelhecimento.

“Um Vintage firme, fresco e intenso que tem na sua amplitude um grande equilíbrio”, refere Carlos Alves.

Foram produzidas apenas 4.153 garrafas 750ml e 231 garrafas Magnum deste Vintage de forma a dar continuidade ao legado da mais antiga Casa de Vinho do Porto que tem como berço a histórica Quinta de São Luiz.

Burmester, Quinta do Arnozelo Vintage 2019

Na Quinta do Arnozelo, situada na sub-região do Douro Superior, a vindima de uvas para vinho do Porto arrancou a 16 de Setembro com o corte da Touriga Nacional exposta a nordeste a 280 m de altitude, avançando para a Touriga Franca, de parcelas a 200m de altitude e viradas a nascente, e para a Tinta Roriz virada noroeste com uma altitude de cerca e 250m.

À elegância e riqueza aromática da Touriga Nacional, aliou-se a concentração e a estrutura da Touriga Franca e o tanino mais tenso da Tinta Roriz, três castas que juntas compõem o lote deste fascinante Vintage da Quinta do Arnozelo. “Um vinho muito elegante, floral e fresco”, qualidade essa que Carlos Alves destaca face à região que lhe está na origem.

De tonalidade vermelha intensa com laivos violeta, este vinho assume o perfil da Burmester num registo mais elegante e perfumado onde, para além dos apontamentos de fruta tropical, destacam-se notas florais, nuances de flor de laranjeira, cassis, rosmaninho, frutos do bosque e ameixas. Um vinho de grande finesse, com um tanino bem presente, tenso e musculado envolvido em notas de alcaçuz e fruta fresca. Com um final de boca longo, mas elegante, bem ao estilo da Casa Burmester, este vinho é a mais pura expressão da excelência do terroir da Quinta do Arnozelo.

Foram produzidas apenas 6.591 garrafas 750ml e 91 garrafas Magnum do Quinta do Arnozelo Vintage 2019. Uma edição limitada de um Single Quinta Vintage com o carácter distintivo da Casa Burmester.

Cálem Porto Vintage 2019

Os Vintages Clássicos da Cálem nascem no Douro Superior, expressão de um mosaico de terroirs que traçam o perfil clássico da marca. São fruto de um blend de uvas de diferentes parcelas de Touriga Nacional, Touriga Franca, Tinta Roriz e Sousão que, em percentagens diferentes, compõem o lote de um Vintage e que, ao longo dos anos, mantém a consistência da identidade da Casa: vinhos com perfil mais robusto marcado pela estrutura e pela fruta madura.

Concentrado, este Vintage apresenta uma cor púrpura intensa, antecâmera de um nariz marcado por bagas negras que se completam com notas de bosque, chocolate negro, pimenta e ligeiros apontamentos mais resinosos. Intenso, este é um vinho irreverente e volumoso, com um tanino bem firme que lhe antecipa um grande potencial de guarda. Um Vintage “robusto, encorpado e vibrante”, sublinha Carlos Alves.

Foram produzidas apenas 3.992 garrafas 750ml e 24 garrafas Magnum do Vintage Cálem 2018, nesta categoria que vem sendo um clássico desta Casa.

Barros Porto Vintage 2019

O coração do Douro, entre as regiões do Baixo e Cima Corgo, é o berço do Vintage Clássico da Barros, “um vinho com um perfil balsâmico, floral e equilibrado”, salienta Carlos Alves.

A Touriga Nacional, a Touriga Franca e a Tinta Roriz são as três castas base para o lote deste Vintage que contempla ainda uma pequena percentagem de Sousão.

De tom vermelho escuro, este Vintage apresenta um nariz perfumado e limpo onde os aromas florais se conjugam com notas cítricas, apontamentos de fruta negra, chocolate e alguma especiaria. Na boca apresenta-se jovem e fresco, com a fruta a realçar o excelente equilíbrio entre tanino e acidez. Trata-se de um Vintage assertivo com final de boca longo, intenso e apetitoso.

Um Vintage com um perfil atraente que lhe permite ser desfrutado ainda jovem, ideal para quem se inicia na categoria, não obstante o seu potencial de guarda.

Foram produzidas apenas 4.112 garrafas 750ml e 54 garrafas Magnum deste Vintage Clássico da Barros, uma Casa protagonista da história do Vinho do Porto escrita em português.


Website : Sogevinus

Dona Matilde Reserva tinto 2017 é o melhor DOC Douro na competição Mundus Vini

O Dona Matilde Reserva tinto 2017 foi o melhor vinho DOC Douro no concurso internacional Mundus Vini que se realiza todos os anos na Alemanha. Premiado com a medalha Grande Ouro na prova de primavera deste conceituado concurso, o Reserva tinto 2017 Dona Matilde foi um dos dois vinhos portugueses não fortificados a receber a distinção máxima desta competição. Igualmente objeto de distinção, o Dona Matilde tinto 2017 obteve medalha de Ouro.

A Mundus Vini Spring Tasting 2021 (prova de primavera) foi a primeira competição internacional importante na área do vinho deste ano e teve como júri cerca de duas centenas de personalidades conceituadas no mundo do vinho, de cinco dezenas de países, entre os quais enólogos, sommeliers, produtores e jornalistas especializados na área.

Na sua 28ª edição, o Grand International Wine Award Mundus Vini – edição de primavera distinguiu 190 vinhos portugueses, sendo Portugal o 4º país mais premiado. No total, estiveram em prova 7335 vinhos de todo o mundo, tendo sido atribuídas cerca de três mil medalhas, entre Grande Ouro, Ouro e Prata. Apenas 49 concorrentes de todo o mundo receberam medalha Grande Ouro.

Quinta histórica

A Quinta Dona Matilde está entre as mais antigas propriedades da região do Douro. Anteriormente conhecida por Enxodreiro, a quinta integra a primeira demarcação, ordenada pelo Marquês de Pombal em 1756, e fazia parte das propriedades aptas a produzir os “vinhos de feitoria”, nome sinónimo dos melhores vinhos, aqueles que se destinavam à exportação. Ainda hoje toda a vinha da quinta – um total de 28 hectares – tem letra A, a mais alta classificação da região.

Para além de várias vinhas – vinhas velhas tradicionais do Douro, com idades entre 60 e 80 anos, e outras mais recentes, plantadas há cerca de 20 anos – a Quinta Dona Matilde possui uma ampla área ocupada por terrenos incultos, de vegetação natural, na qual se incluem os chamados mortórios, e que constituem importantes habitats naturais, com características notáveis em termos de biodiversidade. Com um total de 93 hectares.

Website : Quinta Dona Matilde

Website : Dona Matilde Reserva tinto 2017

Messias Clássico Garrafeira Tinto 2015

Messias Clássico Garrafeira Tinto 2015

Vinho com uma cor límpida, brilhante, intensidade média, com uma tonalidade vermelho rubi, nariz limpo sem defeitos, aroma com uma intensidade média (+), sedutor, muito elegante, frutado, baga pretas silvestres, balsâmico, resina, cedro, alcatrão.

Na boca é um vinho seco, com acidez alta, elegante, álcool médio (12,5º), corpo médio (+) , taninos firmes, mas muito elegantes e suaves, textura agradável, focado, estruturado, corresponde ao nariz, balsâmico, madeira bem integrada, guloso, com um final longo de agradável secura e persistência.

É um vinho excepcional, cheio de suavidade e elegância dadas pelo tempo, equilibrado, saboroso, com grande envolvência na boca, secando e pedindo comida. Está óptimo para beber, mas pode ser guardado mais tempo. A sua característica balsâmica harmonizou perfeitamente uma entrada de Tomate grelhado com alho, gengibre, malagueta e coentros e uma prato de Esparguete com espinafres, pesto e mozzarella.

Messias Clássico Garrafeira Tinto 2015

Castas : Baga (100%)
Região: Bairrada


A minha nota pessoal: FB 92

Excelência: 96-100
Excepcional: 90-95
Bom/Muito Bom: 80-89
Mediano: 70-79
Pobre: 60-69
Não aceitável: 50-59


Website: Caves Messias

Website : Messias Clássico Garrafeira Tinto 2015

Preços : Messias Clássico Garrafeira Tinto 2015

Quinta do Valdoeiro Reserva Branco 2019

Quinta do Valdoeiro Reserva Branco 2019

Vinho com uma cor límpida, brilhante, cor amarela esverdeado, intensidade média, nariz limpo sem defeitos, aroma com uma intensidade média, puro, fresco, floral, flores brancas, padaria, amanteigado, especiaria, cedro, baunilha, olaria.

Na boca é um vinho seco, com acidez média (+), intensa, elegante, álcool médio (13,0º), corpo médio (+), gordo, intenso, especiado, cedro e baunilha, final com alguma textura e boa persistência.

É um vinho de qualidade muito boa, com frescura, aveludado, equilibrado, mineral, com um final saboroso. A sua textura, mineralidade e frescura harmonizou muito bem com uns chocos assados com tinta, pratos de massa e queijos duros.

Quinta do Valdoeiro Reserva Branco 2019

Castas : Arinto, Bical, Chardonnay
Região: Bairrada


A minha nota pessoal: FB 90

Excelência: 96-100
Excepcional: 90-95
Bom/Muito Bom: 80-89
Mediano: 70-79
Pobre: 60-69
Não aceitável: 50-59


Website : Caves Messias

Website : Quinta do Valdoeiro

Preços : Quinta do Valdoeiro Reserva Branco 2019

Quinta do Valdoeiro Branco 2019

Quinta do Valdoeiro Branco 2019

Vinho com uma cor límpida, brilhante, cor limão, intensidade média, nariz limpo sem defeitos, aroma com uma intensidade média, frutado, tropical, maracujá, ananas fresco, frutas brancas, ligeiro herbáceo, erva verde, olaria.

Quinta do Valdoeiro Branco 2019

Na boca é um vinho seco, com acidez média(+), elegante, equilibrado, álcool médio (12º), corpo médio, ligeira adstringência, citrino, intenso, envolvente, com um final muito agradável e persistente.

Batatas assadas e recheadas com espinafres e gorgonzola

É um vinho com uma qualidade muito boa, com frescura, vibrante, equilibrado, macio, mineral e com um final citrino. Acompanhou na perfeição umas batatas assadas e recheadas com espinafres e gorgonzola.

Quinta do Valdoeiro Branco 2019

Castas : Arinto, Bical, Chardonnay
Região: Bairrada

A minha nota pessoal: FB 89

Excelência: 96-100
Excepcional: 90-95
Bom/Muito Bom: 80-89
Mediano: 70-79
Pobre: 60-69
Não aceitável: 50-59


Website : Messias

Website : Quinta do Valdoeiro

Preços : Quinta do Valdoeiro Branco 2019

Fish cake tacos with mango, lime, and cumin yogurt

Wine : Verdicchio dei Castelli di Jesi Riserva DOCG San SIsto 2016 Fazi Battaglia

Website : Yotam Ottolenghi

SUDD TEM 2 NOVOS VINHOS EXCLUSIVOS DA BAIRRADA PARA ENTREGAR EM SUA CASA

Mercearia e garrafeira gourmet online

SUDD acaba de lançar dois novos vinhos exclusivos da Bairrada, elegantes e cheios de personalidade, ideais para saborear durante o confinamento. O SUDD Branco Arinto Reserva DOC Bairrada 2019 e o SUDD Tinto Reserva DOC Bairrada 2015 são vinhos frutados, frescos e harmoniosos, perfeitos para acompanhar pratos da cozinha mediterrânica, a base de peixe e carne, e queijos. Os vinhos estão disponíveis na loja online da SUDD para entrega em sua casa, com um preço de venda ao público (PVP) de 12€ (Bairrada White Reserve Arinto) e 14€ (Bairrada Red Reserve).

A SUDD propõe uma gama de vinhos de todas as regiões do país, produções originais e exclusivas da marca, desde brancos, tintos, Vinho do Porto e Espumante: há sugestões para todos os gostos e ocasiões. Na loja online da SUDD também estão disponíveis várias iguarias que celebram os melhores sabores nacionais, desde compotas, mel, azeite extra virgem, queijo e conservas.

Na lista de vinhos da SUDD capazes de transformar estes dias de isolamento em momentos aprazíveis encontra-se também vinhos do Douro e Alentejo (Tinto), do Dão (Tinto e Branco), Vinho Verde do Minho, e ainda Vinho do Porto Tawny e um espumante da Bairrada.

A SUDD assume-se como uma marca mediterrânica que colabora com produtores e agricultores locais que respeitam as tradições, de modo a garantir a qualidade e a origem familiar dos produtos. Enquanto embaixador dos melhores produtos do terroir nacional, a SUDD oferece a possibilidade de encontrar num único lugar os melhores produtos regionais como azeite extra virgem, mel de montanha proveniente da Serra da Lousã, doce de abóbora e nozes, doce de maçã com vinho do Porto e conservas de peixe, como Filetes de atum em azeite e Bacalhau em azeite e alho. 

A loja online está disponível 24 horas por dia, sete dias por semana para receber os pedidos e entregá-los em casa, cumprindo todas as normas de higiene e segurança recomendadas pela Direção-Geral de Saúde. As entregas em Portugal Continental são gratuitas a partir dos 50€ de compras. A SUDD está a criar todas as condições para que, a curto prazo, possa ter uma logística internacional a funcionar, dando início aos envios internacionais dos produtos premium.

Novos vinhos SUDD:

SUDD Branco Arinto Reserva DOC Bairrada 2019

Com castas 100% Arinto. Fermentado em barricas de carvalho francês (50%), possui um aroma frutado, fresco, elegante e harmonioso. É ideal para acompanhar iguarias da cozinha mediterrânica à base de peixe, carnes brancas, charcutaria ligeira e queijos macios. Teor alcoólico de 13,5%

SUDD Tinto Reserva DOC Bairrada 2015

Com castas 60% Baga (60%), 20 %Touriga Nacional (20%) e Aragonez (20%). Tem um sabor frutado, macio e elegante, com notório volume de boca e longa persistência. Conta com 9 meses de estágio em barricas de carvalho francês e pelo menos 3 meses após o engarrafamento. Acompanha bem carnes vermelhas assadas ou guisadas, caça e queijos de meia cura. Teor alcoólico de 13,5%


Website : SUDD

Howard’s Folly lança vinho de Carcavelos

David Baverstock, Enólogo-chefe da adega urbana Alentejana, cria colheita exclusiva do renomado vinho fortificado.

A Howard’s Folly lançou uma edição limitada de vinho Carcavelos 1991. Elaborado a partir de uma rara colheita deste famoso e reputado vinho fortificado, este é o projeto mais exclusivo da adega alentejana até à data.

A ideia para este vinho singular surgiu em 2015, quando o Enólogo Chefe da Howard’s Folly, David Baverstock, surpreendeu Howard Bilton, fundador da adega, com uma garrafa sem rótulo de algo “muito especial”. Com notas de um Madeira muito velho, poderia ter sido um Porto Tawny ou um vinho de Jerez meio-doce envelhecido. Mas não era nem um, nem outro. Uma hora depois, a garrafa estava vazia e David finalmente revelou seu segredo; tinha-se deparado com barricas de vinho de Carcavelos na adega da Quinta dos Pesos em Caparide.

Uma das duas únicas adegas ainda a produzir este vinho fortificado, nos solos arenosos da região de Carcavelos DOC, a oeste de Lisboa, cujo vinho raramente era visto desde os anos 1980.

Os próximos três anos foram passados em negociações com a adega de Carcavelos a fim de comprar alguns de seus extremamente raros barris de vinho antigo para produzir o blend Howard’s Folly 1991.

Este solera, contendo uma pequena quantidade de vinho de outro ano (85% de 1991 e 15% de 1992), é um blend de vinhas velhas, incluindo Arinto, Galego Dourado, Boal, Rabo de Ovelha, João Santarém e Espadeiro Tinto. Foi envelhecido em cascos de carvalho de 700 litros com ullage (volume para expansão) para melhorar o processo de oxidação, e a sua fermentação foi interrompida a meio com aguardente para deixar um vinho fortificado naturalmente doce.

O resultado é um magnífico vinho de cor topázio, de grande complexidade e comprimento incrível, com aromas voláteis complexos de frutas secas, especiarias e nozes. Na boca é elegante e de sabor intenso, com um final longo e persistente, realçado por uma acidez viva. Perfeito para beber sozinho, com queijo, sobremesa ou com mais vinho de Carcavelos.


Website : Howard’s Folly

%d bloggers like this: